O Palácio da Pena constitui o mais completo e notável exemplar da arquitetura portuguesa do Romantismo

Fantasiosa em extremo, a fábrica arquitetónica da Pena colhe nos 'motivos' mouriscos, góticos e manuelinos da arte portuguesa muito da sua inspiração (edifícios vermelhos), bem como no espírito Wagneriano dos Castelos de Schinkel do Centro da Europa (edifícios amarelos).

Está situado num dos cumes fragosos da Serra de Sintra e integra-se de modo inesperadamente feliz no seu tecido natural de verdura e penedia.

Vista aérea do Palácio da Pena com o mar ao fundo e o Castelo dos Mouros na colina à direita

Vista aérea do Palácio Pena com o mar ao fundo e o Castelo dos mouros na colina à direita

Terraço da Rainha com um relógio de sol e um canhão

Relógio de sol que ativou, todos os dias ao meio-dia, o canhão no terraço da Rainha

História

A capela de Nossa Senhora da Pena era sitio de romagem desde a Idade Média. No reinado de D. Manuel I (1469-1521), o grande monarca dos Descobrimentos Portugueses, este soberano autoriza a criação de um convento destinado à Ordem de S. Jerónimo , que tinha a sua sede na Quinta da Penha Longa, a três quilómetros deste local.

Com o terramoto de 1755 que devastou Lisboa e seus arredores, o convento cai em ruinas e, depois a extinção das ordens religiosas em Portugal , foi abandonado.

O Mosteiro da Pena volta de 1836

O Mosteiro da Pena volta de 1836

O Palácio da Pena volta de 1843

O Palácio da Pena volta de 1843

Em 1838 D. Fernando de Saxe Coburgo-Gotha (1816-1885), marido da rainha D. Maria II , encantado com o local, adquiriu o edifício, a cerca, a mata e o Castelo dos Mouros, numa área de 200 hectares, iniciando de imediato a construção da estrada de acesso, desde S. Pedro de Sintra.

A reabilitação do antigo convento (edifícios vermelhos) iniciou-se em 1840 e, por volta de 1850, decidiu acrescentar um novo complexo arquitetónico o que se chamava na época "Palácio Novo" (edifícios amarelos).

As obras foram entregues ao Barão Alemão Von Eschwege, que já nessa época era engenheiro de minas em Portugal.

O Palácio da Pena em 1850

O Palácio da Pena em 1850

D. Fernando II em 1855

D. Fernando II em 1855

Toda o conjunto destinou-se à residência de verão da Família Real, sendo o ultimo Palácio a ser construído na dinastia Bragança.

A zona do convento foi pintada de vermelho e a parte nova de amarelo, seguindo ordens expressas deste Rei-Artista.

Vista aérea do Palácio da Pena (o antigo mosteiro em vermelho e o novo palácio em amarelo)

Vista aérea do Palácio da Pena (antigo mosteiro em vermelho e novo palácio em amarelo)

Estilos

Esta construção acastelada assenta em enormes rochedos, traduzindo todo o edifício a mentalidade romântica do séc. XIX.

A mistura de elementos decorativos nacionais (neo-romântico , neogótico , neomanuelino ) e de gosto oriental (neoárabe e indo-gótico ) desenvolvem-se nesta arquitetura orgânica, onde desnivelamentos, torres, torrinhas, inúmeros terraços e outras apêndices se compõem numa harmonia única em todo o Sul da Europa.

Desnivelamentos, torres, torrinhas, terraços no Palácio da Pena

Desnivelamentos, torres, torrinhas, terraços

Terraço do Palácio da Pena com uma torrinha neoárabe e a estatua do Guerreiro no fundo

Terraço com uma torrinha neoárabe e a Estatua do Guerreiro no fundo

Características

Entre as inúmeras características marcantes do palácio :

Claustro manuelino do Palácio da Pena

Claustro manuelino preservado do anterior convento do século XV

Retábulo da capela do Palácio da Pena

O célebre retábulo renascentista do escultor Nicolau de Chanterene (1470-1551) em mármore e alabastro, executado em 1532 por ordem de D. João III . Deve-se realçar que esta construção é trinta anos anterior à dos castelos de Luís II da Baviera.

A janela do Tritão, simbolizando a alegoria da criação do mundo

A janela do Tritão, simbolizando a alegoria da criação do mundo

Salão Nobre do Palácio da Pena

Todas as dependências apresentam uma parafernália de coleções que vão da ourivesaria ao mobiliário, passando pelas têxteis, chegando às porcelanas europeias e orientais, evocando o gosto do colecionismo e do bricabraque da época. (aqui no Salão Nobre)

Colunas retorcidas do Palácio da Pena inspiradas no Alhambra

Colunas retorcidas que sustentam a varanda do Auditório

Salão Nobre do Palácio da Pena

Salão Nobre

Trompe-l'oeil no Salão Árabe do Palácio da Pena

Salas luxuosamente decoradas (aqui no Salão Árabe) exibem maravilhosos frescos trompe-l'oeil

Paredes revestidas por azulejos do seculo XIX no Palácio da Pena

Paredes revestidas por azulejos do seculo XIX da autoria de Wenceslau Cifka , amigo pessoal de D. Fernando

Capela do Mosteiro do Palácio da Pena

Capela preservada do anterior convento do século XV

O Parque

Ocupando uma área de cerca de duzentos hectares, em torno do Palácio, este frondoso Parque foi plantado e arborizado no terceiro quartel do século XIX.

Este parque romântico, mandado plantar por D. Fernando II, surge como prolongamento óbvio do Palácio, comas suas cerca de trinta construções e uma variedade enorme de plantas exóticas, trazidas dos mais remotos pontos do globo, que se fundem com a vegetação autóctone, numa exuberância de verdes e cheiros capazes de inebriar o visitante.

É um dos pontos mais atrativos da Serra de Sintra, pela magia romântica que exala dos seus recantos de ver dura e pela plenitude dos trechos de paisagem que a par e passo se vislumbram.

A arrumação arbórea em manchas contrastantes. jogando os renques de arvoredo com a nota delicada de jardins, a curva airosa de um caminho, ou a presença súbita de um lago, definem a intenção artística que presidiu à plantação do Parque.

Cruz Alta

Cruz Alta no Palácio da Pena

A Cruz Alta, ponto máximo da Serra de Sintra (540 metros) com o seu cruzeiro quinhentista (1522) e largo panorama em torno que permite visionar, designadamente, o conjunto fantasioso do Palácio romântico é um dos locais de visita obrigatória para o visitante do Parque da Pena.

Chalé da Condessa d'Edla

Chalé da Condessa d'Edla no Parque da Pena

O Chalé da Condessa, construído em 1870 por D Fernando II, um ano apos o seu morganático segundo casamento com a cantora de ópera suíço-alemá Elise Hensler, Condessa d'Edla , destinava-se a residência de sua esposa, é curiosíssimo o pavilhão romântico, decorado com árvores fingidas de madeira e cortiça, e bons estuques no interior.

Estatua do Guerreiro

Estatua do Guerreiro no Parque da Pena

Não longe da Cruz Alta depara-se-nos a surpreendente estátua de guerreiro que diz-se, é o D. Fernando II, guardião do Palácio. Gigantesca escultura pétrea que preserva na base, gravadas, as armas do arquiteto Barão de Eschewege

Vista aérea do Palácio da Pena emergindo das nuvens

Palácio da Pena emergindo das nuvens

Horários

Aberto diariamente, exceto nos feriados de 25 de dezembro e 1 de janeiro

Inverno 2016-2017
até

Palácio & Parque: das 10:00 ás 18:00

Verão 2017 até

Palácio: das 09:45 ás 19:00 - último bilhete 18:15

Parque: das 09:30 ás 20:00 - último bilhete 19:00

Alojamento na região

dos quais:

Booking.com

Moon Hill Hostel

ver no Google Maps
Booking.com

Penha Longa Resort 5

ver no Google Maps
Booking.com

Quinta Velha Guesthouse

ver no Google Maps
Booking.com

Sintra Boutique Hotel 4

ver no Google Maps

Como chegar

Coordenadas: 38.78704911; -9.39030110

Morada: Estrada da Pena, 2710-609 Sintra Portugal

4 km do Palácio Nacional de Sintra (centro histórico) Mapa de Sintra

Carreira 434 (Circuito da Pena)

15 minutos de/até a Estação de Sintra

Frequência:
Cada 15 minutos, das 09:30 ás 18:20
Horário completo

Sintra Carreira 434: Diagrama do Itinerário

Itinerário:
Estação de Sintra > Centro Histórico, Turismo, Palácio National de Sintra > Castelo dos Mouros > Palácio da Pena > Centro Histórico, Palácio National de Sintra > Estação de Sintra

Cálculator de percuso | Scotturb, Site das Carreiras de Cascais e Sintra
Transporte Público em Sintra

€ Preços até 28-10-2017

Palácio + Parque

Bilhete adulto (de 18 a 64 anos) 14,00
Bilhete jovem (de 6 a 17 anos) 12,50
Bilhete sénior (maiores de 65 anos) 12,50
Bilhete família (2 adultos + 2 jovens) 49,00

Aos domingos os munícipes do Concelho de Sintra estão isentos de pagamento de entrada.

Parque

Bilhete adulto (de 18 a 64 anos) 7,50
Bilhete jovem (de 6 a 17 anos) 6,50
Bilhete sénior (maiores de 65 anos) 6,50
Bilhete família (2 adultos + 2 jovens) 26,00

Palácio + Parque
Happy Hour todos os dias das 9h30 às 10h30

Bilhete adulto (de 18 a 64 anos) 13,00
Bilhete jovem (de 6 a 17 anos) 11,50
Bilhete sénior (maiores de 65 anos) 11,50
Bilhete família (2 adultos + 2 jovens) 44,00

Aos domingos os munícipes do Concelho de Sintra estão isentos de pagamento de entrada.

Vista aérea do Palácio Pena e da planicie de Sintra

Vista aérea do Palácio Pena e da planicie de Sintra